Os desafios da lactação

Fêmeas magras, hiperprolificidade, baixa produção de leite e grandes leitegadas, são alguns dos desafios da fase mais importantes das matrizes suínas

A evolução genética que temos observado nos últimos anos fez com que fêmeas em lactação se tornassem altamente produtivas, com alto número de nascidos totais, e nascidos vivos. Atualmente, observamos granjas comerciais com 36,17 desmamados/fêmeas /ano (Agriness, 2018), chegando até 40 desmamados/fêmea/ano (Decoux, 2017), em situações de manejo e produção na Europa.

Assim, como poderemos alcançar o número de 40 desmamados/fêmea/ano, ou mantermos essa produtividade? Levando em consideração alguns dados europeus, uma das alternativas seria trabalhar em melhorias das nossas condições sanitárias, assim como nas instalações, ambiência, manejo de leitões de baixo peso, manejo na maternidade, trabalharmos para reduzir a mortalidade na lactação, nossos controles de dados e informações geradas e, não menos importante, a alimentação da fêmea na lactação.

Entretanto, em nossas condições de ambiência, instalações, manejo e alimentação, observamos – na maior parte do ano – que nossas fêmeas em lactação são desafiadas por diversos fatores, tais como: altas temperaturas; estresse calórico influenciando no consumo ad libittum (Renaudeau et al, 2012); consumo de alimentos de baixa qualidade nutricional, ou muitas vezes rancificados, já que dietas de lactação normalmente utilizam altos níveis de óleos e gorduras; dietas e ingredientes contaminados por micotoxinas, que podem alterar a resposta imune dos animais, sendo uma possível abertura para desenvolvimento de infecções; enfermidades, como problemas de cascos e reprodutivos, que são as principais causas de descarte destes animais (Henman, D. 2006); além de um manejo ineficiente da alimentação, limpeza e desinfecção das instalações, fazendo com que nossas fêmeas lactantes sejam constantemente desafiadas, podendo afetar sua produtividade.

Todas estas situações citadas acima podem provocar alterações no sistema imune dos animais, provocando alterações metabólicas e fisiológicas, tendo como principal consequência a diminuição na produção e qualidade do leite das matrizes (Sauber et al. 1999), podendo causar o baixo peso da leitegada ao desmame, o aumento da mortalidade na maternidade, uma maior necessidade de mães de leite na maternidade e, maior gasto com mão de obra.

Desta forma, o que podemos fazer para minimizar esses impactos? Devemos investir em instalações, ambiência, melhora no manejo na maternidade, melhorias sanitárias, biossegurança e treinamentos, porém, muitas vezes, essas medidas não são tomadas pelos produtores, cabendo à nutrição uma alta parcela na solução desses desafios.

Muitas das soluções associadas à nutrição estão relacionadas ao adensamento das dietas com lisina, energia, entre outros nutrientes, na tentativa de suprir um baixo consumo de ração, no entanto, muitas vezes sem grande efeito, pois estes animais já estão sofrendo alterações comportamentais e fisiológicos pela ativação do sistema imune. Assim, suplementações devem ser feitas no sentido de amenizar os desafios e respostas provocadas pela ativação do sistema imune, evitando que nutrientes que antes seriam utilizados para produção de leite, sejam utilizados para combater estas respostas de ativação do sistema imune.

Diante desta observação, cabe ao suinocultor encontrar uma solução capaz de promover melhor consumo das matrizes com melhora na integridade intestinal e maior produção de leite; resultando em animais mais saudáveis e, consequentemente, maior ganho de peso dos leitões. Uma solução que a Agroceres Multimix já possui.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

Fabrício Santos

Fabrício Santos

Fabrício Santos é nutricionista da divisão de suinocultura na Agroceres Multimix.

VOCÊ TAMBÉM PODE CURTIR...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *