Manejo correto da alimentação pré-parto aumenta o número de leitões nascidos vivos

0
621
leitoes nascidos vivos

O número de leitões nascidos em uma leitegada é um dos grandes sucessos da seleção genética da suinocultura atual. Entretanto, diversos trabalhos relataram que quanto maior o tamanho da leitegada, maior a duração do parto, e demonstraram que a duração do parto e o número de natimortos têm correlação positiva. A grande maioria dos leitões natimortos estão vivos quando o processo de parto se inicia, sendo que, entre 70 e 90% das mortes ocorre devido ao tempo de parto prolongado.

A principal causa relacionada à morte de leitões durante o parto é a asfixia, decorrente de partos prolongados. A asfixia é um processo normal durante o parto, e contribui como gatilho para a movimentação fetal no canal de nascimento e para liberação de oxitocina, o que auxilia no processo do parto. Entretanto, asfixia moderada ou severa, que impeça o leitão de respirar por um tempo de 2 a 3 minutos, é fatal.

Os últimos leitões a nascerem em uma leitegada possuem maior tendência de sofrer com asfixia durante o parto. Isso ocorre devido aos efeitos cumulativos das contrações uterinas, que reduzem a oxigenação para os leitões que ainda não nasceram, além de aumentar o risco de fechamento ou da ruptura do cordão umbilical, aumentando, desta forma, o risco de natimortos.

leitoes nascidos vivos

A contração uterina durante o parto pode comprometer o status energético das matrizes, principalmente nos casos de partos prolongados. A maior parte da energia da dieta é absorvida no trato intestinal, na forma de glicose, durante as primeiras 4 a 6 horas após a alimentação. Por outro lado, a energia originada da fermentação de fibras no intestino grosso está disponível por um período maior após a alimentação, entretanto, em menores quantidades.

Desta forma, a utilização correta de alimentação pré-parto, que vise um parto com menor tempo de duração e, consequentemente, menor incidência de complicações, pode aumentar o número de leitões nascidos vivos e possibilitar aumento no número de leitões desmamados por porca.

Em trabalho recente, Feyera e seus colaboradores (2018) avaliaram o efeito do tempo de alimentação das porcas antes do parto, sobre a necessidade de assistência ao parto e ocorrência de natimortos. As porcas foram divididas em três tempos de alimentação, sendo: 3 horas antes do parto, 3 a 6 horas antes do parto e acima de 6 horas antes do parto. Como podemos observar nas figuras 1 e 2, períodos prolongados de alimentação antes do parto aumentam a necessidade de assistência ao parto, enquanto tempo de jejum superior a 6 horas aumenta a ocorrência de natimortos em 1,76 vezes.

leitoes nascidos vivos
Figura 1: Probabilidade de necessidade de assistência ao parto, de acordo com o tempo após receber a última alimentação antes do início do parto (Feyera et al., 2018).
leitoes nascidos vivos
Figura 2: Probabilidade de leitões natimortos, de acordo com o tempo após receber a última alimentação antes do início do parto (Feyera et al., 2018).

Os autores verificaram que uma grande proporção de porcas sofre com um status de baixa energia durante o parto, afetando negativamente o processo, e indicam que as porcas devem ser alimentadas no mínimo 6 horas antes do parto, se possível 3 vezes por dia, após serem transferidas para maternidade.

Dessa forma, temos que ter muita atenção ao período entre a última alimentação e o início do parto das porcas, principalmente em granjas que utilizam indução de parto, para que esse período não seja superior a 6 horas. Já foi possível reduzir entre 3 e 4% a ocorrência de natimortos em uma granja comercial, utilizando esse procedimento (Dados pessoais, Tabela 1). Se pensarmos em uma granja de 1000 fêmeas, isso representa aproximadamente 1.300 leitões nascidos vivos a mais por ano.

Tabela 1: Índice de ocorrência de natimortos em uma granja comercial, com jejum de 12 horas antes do parto e com ajuste para jejum de no máximo 6 horas

 

Jejum > 12 Horas

Jejum < 6 horas

Ocorrência de natimortos semana 1

9 %

5,3 %

Ocorrência de natimortos semana 2

8,5 %

3,5 %

(Dados pessoais)

Diversos fatores podem contribuir para redução na ocorrência de natimortos e otimização da produtividade em granjas. Outros pontos importantes a se destacarem é a utilização e tipo de fibra na gestação, dietas de transição e volume de ração oferecido as porcas. Esses assuntos serão discutidos posteriormente em novos artigos.

Vale lembrar que: é muito importante o acompanhamento de um técnico para definição da estratégia a ser utilizada na granja.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO