Início Aves de Corte Manejo de inverno na avicultura

Manejo de inverno na avicultura

0
838
Capa do artigo sobre manejo de aves no inverno

Num país de grande extensão, como o Brasil, fica muito difícil ter ou criar um parâmetro único de manejo, levando em consideração as diferenças entre as 5 regiões existentes em todo o território nacional. Mas alguns pontos são cruciais, e não podem ser esquecidos.

Normalmente, as instalações avícolas são construídas visando diminuir os efeitos das condições climáticas de cada estação, principalmente do verão e do inverno. Porém, cuidados especiais devem ser adotados, principalmente nos primeiros dias de vida, pois as aves são expostas a mudanças muito drásticas, de diversos aspectos, sejam eles: ambientais, físicos, fisiológicos e nutricionais, de acordo com cada fase de desenvolvimento do animal, devendo-se, assim, respeitar as exigências de temperatura e umidade de cada fase de criação.

Foto de aves num galpão - foto do artigo sobre manejo de aves no inverno

Uma das formas mais utilizadas para otimização e aproveitamento de calor em galpões é a diminuição de espaços, com a utilização parcial do galpão, mais conhecido como “casulo de alojamento”, onde os pintos devem ser alojados, com acesso fácil à água e ração. No momento do alojamento, a distribuição das caixas de pintos deve ser uniforme por todo o casulo, previamente aquecido e, de preferência, com baixa intensidade de luz para deixar a ave mais tranquila. Posteriormente a esse momento, ainda no primeiro dia de alojamento, deve-se fornecer 24h de luz, facilitando assim, o consumo de água e ração.

Após o segundo dia é necessário instituir um programa de luz que seja mais adequado para sua região. No inverno, é importante que coincida o período de escuro com o pôr do sol para que as aves estejam acordadas durante o período mais frio da noite. Controlando isso, bem como a temperatura, a umidade e a renovação de ar, de forma precisa, facilita aos galponistas agirem mais rapidamente, caso haja a necessidade de alteração de algum desses parâmetros. O monitoramento de temperatura e umidade, de forma mais rigorosa, deve-se estender até o final da segunda semana de vida das aves, podendo variar em função do clima.

Foto mostrando o lado externo de um galpão de aves - foto do artigo sobre manejo de aves no inverno

Até aproximadamente seu 12º dia de vida o pinto não consegue regular sua temperatura corpórea, por isso é tão importante seguir as exigências de temperatura para que as aves encontrem conforto térmico ambiental para seu crescimento. Deve-se levar em consideração que a temperatura, no momento do alojamento e durante o 1°dia, deve ser de 32ºC, reduzindo, em média, 3ºC a cada semana até chegar aos 20ºC, como observado no quadro 1 abaixo.

Quadro 1: Temperatura ambiente ideal de acordo com a idade das aves

IDADE

TEMPERATURA

1 dia

32ºC

7 dias

29ºC

14 dias

26ºC

21 dias

23ºC

28 dias

20ºC

Outro ponto importante a ser pensado sobre o manejo de aves no inverno é a densidade de alojamento. Normalmente, nesse período, trabalha-se um pouco mais adensado, chegando em média entre 50 e 60 pintos por m², sempre aumentando os espaços dos círculos de proteção, a cada três dias, até que todo o galpão esteja ocupado, o que acontece por volta do 15º dia de alojamento. Lembrando sempre de aquecer previamente o novo espaço do galpão a ser utilizado, além de observar bem o comportamento das aves. No quadro 2, observa-se o comportamento esperado das aves, de acordo com o conforto térmico.

Quadro 2: Comportamento das aves de acordo com o conforto térmico

FRIO

DESEJADO

QUENTE

Piando

Lote Silencioso

Piando

Aglomerado

Boa Uniformidade

Diarreia

Mortalidade Alta

Bom Empenamento

Cama Úmida

Congestão Pulmonar

Baixa Mortalidade

Alta mortalidade

Problemas Respiratórios

Bom Ganho de Peso

Aves Desidratadas

Atraso no Empenamento

Aves Bem Distribuídas

Distante da Fonte de Calor

Outros fatores devem ser considerados importantes e requerem atenção. Um deles é a temperatura da água de bebida, que deve estar entre 18 e 21ºC. Em alguns casos, as tubulações do sistema de água são superaquecidas, deixando a água com alta temperatura, inviabilizando seu consumo pelas aves. Um outro fator importante é a redução dos níveis de energia e sódio da dieta e o uso preferencial de ração farelada, pois em períodos mais frios, o consumo de ração aumenta significativamente, podendo levar, consequentemente, ao comprometimento de algumas funções fisiológicas que propiciem o surgimento da Síndrome Ascítica (SA).

Para a cama utilizada no aviário deve-se optar por um material que tenha fácil oferta na região da criação, que tenha um alto poder de absorção e ajude no controle da umidade e temperatura do galpão. Após distribuição uniforme em todo o galpão, esse material deve ter, aproximadamente, 5cm de espessura em relação ao piso. Nos casos de cama reutilizada, quando possível, priorizar a utilização de cama nova pelo menos no casulo. Em todos os casos, deve-se ficar atento à compactação do material utilizado nas primeiras 24h após o alojamento, evitando possíveis problemas com altura dos equipamentos, o que pode levar a casos de restrição a comedouros e bebedouros.

Foto de aves dentro de um galpão - foto do artigo sobre manejo de aves no inverno

Um dos fatores que vai influenciar diretamente na qualidade da cama é a ventilação mínima, que deve ser monitorada diariamente, principalmente no inverno, pois, em virtude da imensidão do território brasileiro, são identificados diversos tipos de climas, sendo os principais: equatorial, tropical, tropical de altitude, tropical úmido, semiárido e subtropical, podendo ter grande amplitude térmica em diversas regiões. Por isso, independente do dimensionamento do sistema de ventilação da granja, os níveis de CO2, amônia e umidade relativa do ar, devem ser monitorados com atenção redobrada, para que as aves tenham acesso a oxigênio de qualidade, podendo desempenhar da melhor forma suas necessidades metabólicas.

Em regiões que apresentam a estação de inverno bem definida, assim como as regiões com variações consideráveis na amplitude térmica neste período, pode ocorrer uma maior incidência de problemas sanitários. Dessa forma, deve-se sempre respeitar os pontos críticos citados anteriormente, como: menor densidade no alojamento das aves, maior cuidado no alojamento e nas primeiras semanas, ajustes nutricionais, monitoramento de temperatura, umidade e ventilação, atenção com o calendário de vacinação, e, dependendo da região, caso haja necessidade, reforços de campo, minimizando, assim, as chances de aparecimento de alguma enfermidade.

 Nutrição Animal – Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO