O meio-termo entre dois extremos

0
669
Bois comendo milho

Ingrediente de maior inclusão em dietas de engorda, milho demanda atenção ao que se refere a moagem dos grãos

Demitido por gerente da Fazenda Talismã (Palmas-TO), Marcos Gonzales, afirma ser incoerente as causas que o levaram a tal situação. Há mais de 2 anos trabalhando na fazenda, o ex-funcionário defende ter sido o mais fiel de toda equipe, seguindo à risca toda e qualquer tarefa passada pelos gestores.

O problema começou no ano anterior ao ocorrido, quando Marcos havia assumido grandes responsabilidades dentro da fazenda. Depois de algum tempo atuando como ajudante em diversos setores, ficou responsável pelo fornecimento da nutrição do gado na terminação.

“O trabalho exigia de mim uma atenção redobrada em tudo o que eu fazia. Sempre soube que as misturas dos ingredientes da ração tinham que ser realizadas com cuidado, para garantir a engorda dos animais, evitando consumo errado de nutrientes. Imagine se eu mato os bois do patrão, gosto nem de pensar”, conta Gonzales.

Cássio Gomes, gerente há pouco mais de um ano, justifica suas ações por se intitular um homem de características assertivas. “Comigo, é oito ou oitenta. Não gosto de deixar que as pessoas fiquem interferindo na minha gestão e, por isso, sempre estudo diferentes estratégias para as melhorias do confinamento”, explica.

Esse perfil centralizador do gerente limitava a atuação de outros profissionais na fazenda, fossem eles: representantes comerciais, consultores, nutricionistas ou até médicos veterinários. Tudo o que precisava saber sobre a dieta dos animais, Cássio buscava na internet ou em palestras que raramente frequentava quando prestigiava eventos do setor.

Em uma dessas palestras, o gerente teve a oportunidade ouvir o gestor técnico de bovinos de corte da Agroceres Multimix, Matheus Moretti, falar sobre moagem de milho e a importância de todo o processo. “Pessoal, vocês sabem melhor do que eu que precisamos utilizar ao máximo as propriedades nutricionais do milho, para não jogar dinheiro fora. Para isso, realizar uma moagem adequada é fundamental para garantir o bom funcionamento do rúmen, aproveitando toda energia que o milho oferece ao animal”, informou.

O gerente levou esse pensamento para a fazenda e antes mesmo do primeiro trato que seria servido aos animais no dia seguinte, chamou Marcos para lhe passar as orientações. “Quero ver esse milho moído que nem grão de areia”, exigindo que os processos de moagem fossem intensificados.

Assim que assumiu as atividades de fornecimento de ração aos animais, Gonzales organizava e preparava as misturas seguindo quase que uma receita de bolo. Tudo que era estipulado pelo gerente, era feito na nutrição. A moagem do milho demandava mais tempo e mão de obra, por isso, muitas vezes o processo era feito “nas coxas”. Era possível notar os grãos inteiros nas fezes dos animais e, por mais que o funcionário não entendesse muito sobre nutrição, era evidente para ele que aquele componente não estava sendo aproveitado pelo animal.

Definido então que o milho deveria ser BEM moído, “melhorias” foram feitas no moinho da fazenda, que teria peneiras ainda mais finas, e um processo de moagem mais rigoroso. “Como grão de areia”, essas eram as palavras repetidas pelo funcionário na hora do trato.

O milho moído em excesso refletiu nos animais um surto de acidose, diarreia, com consequentes problemas de casco e queda de desempenho, ou seja, se antes o gado não aproveitava os nutrientes do grão, agora, começavam a apresentar distúrbios metabólicos e perda de peso. Um prejuízo sentido no bolso do proprietário da Fazenda Talismã, que, ao perceber a péssima gestão na propriedade, decidiu demitir o gerente e readmitir o funcionário Marcos. Hoje, a Fazenda conta com outro gerente que, diferente do anterior, compartilha com seus funcionários suas ideias e permite que especialistas frequentem a propriedade para contribuir com informações decisivas no confinamento.

foto de fezes causada pela moagem do milho de maneira errada

Mensalmente, o consultor de serviços técnicos da Agroceres Multimix, Átila de Toledo, realiza visitas e promove debates com todos os funcionários, propiciando a eles um entendimento mais detalhado da produção de bovinos de corte. “Equilíbrio, minha gente, equilíbrio. A moagem de milho precisa ser realizada com cautela, nem muito fino, para não causar distúrbios nos animais; e nem muito grosso, para que ele não seja desperdiçado. Além disso, precisamos ser rigorosos na classificação do milho que entra na fazenda, para não acabarmos comprando “sujeira”, assim como tomar cuidado na estocagem, evitando colocá-los úmidos no moinho e avariando o equipamento”, complementou o consultor.

Detalhes que fazem diferença e ajudam trabalhadores esforçados como Marcos a entender ainda mais as exigências do dia a dia de um confinamento, assim como a importância de suas ações, sejam quais forem suas atividades.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

 

*Narrativa fictícia, desenvolvida a partir de problemas reais, extraídos de relatórios de visitas técnicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO