Sorgo na suinocultura, quando vale a pena utilizar?

0
836
utilização do sorgo

Utilização do sorgo: Analise corretamente a compra e utilização desta matéria-prima.

Ainda há quem diga que só vale a pena comprar sorgo quando seu preço estiver 20% mais barato que o preço do milho. Mas será que essa é uma verdade inquestionável? Para tomar uma decisão mais correta e inteligente no momento da compra dessas matérias-primas, precisamos rever e entender melhor esse parâmetro comparativo e lembrar de alguns conceitos sobre a questão.

De acordo com Fialho et al. (1998), o sorgo apresenta 95% do valor biológico do milho, e, tecnicamente, podemos substituir 100% do milho pela utilização do sorgo, sem prejudicar o desempenho dos animais. Novamente, Fialho et al. (2002) utilizaram sorgo em rações para leitões de 10 a 30 kg e não encontraram diferença de desempenho e digestibilidade dos nutrientes, quando comparados a dietas com milho. Marques et al. (2007), em estudo comparando a digestibilidade em dietas nas quais se substituiu 100% do milho pela utilização do sorgo, encontraram queda de 8% na digestibilidade da proteína e 5% na digestibilidade da energia bruta. De maneira geral, portanto, podemos considerar uma queda de digestibilidade da dieta de 5% quando se faz a utilização do sorgo como a principal fonte energética, em substituição ao milho. Mesmo com a correção dos níveis nutricionais, para compensar essa menor digestibilidade, há uma tendência de aumento do consumo e, consequentemente, uma piora da CA (Conversão Alimentar) do animal.

utilização do sorgo

Para a elaboração das fórmulas de ração – e essas diferem quanto à base de dados de cada nutricionista – alguns fatores devem ser considerados, como: valorização de energia dos ingredientes, fonte e custo da energia complementar utilizada, combinação dos diferentes ingredientes e o perfil bromatológico de cada matéria-prima, visto a variação que temos nas  tabelas de referências (tabela 1).

Tabela 1 – Diferença entre os níveis nutricionais do milho e sorgo e as fontes de informações

Nutriente NRC (1998) NRC (2012) Tabelas Brasileiras 2011 Tabelas Brasileiras 2017
 

Milho

Sorgo

Milho

Sorgo

Milho

Sorgo*

Milho

Sorgo*

PB (%)

8,30

9,20

8,24

9,36

7,88

8,97

8,80

8,75

SIM (%)

3,90

2,90

3,48

3,42

3,65

2,96

4,08

3,35

FB (%)

2,80

2,30

1,98

2,14

1,73

2,30

1,48

2,89

Como (%)

0,03

0,03

0,02

0,02

0,03

0,03

0,02

0,03

EM (kcal/kg)

3420

3340

3395

3532

3340

3315

3390

3358

Lisina (%)

0,26

0,22

0,25

0,20

0,23

0,20

0,26

0,20

* sorgo baixo tanino; PB – Proteína Bruta; EE-Extrato Etéreo; FB – Fibra Bruta; Ca-Cálcio; EM – Energia Metabolizável para Suínos.

Ainda sobre a digestibilidade, o sorgo contém taninos e esses são os principais elementos presentes que prejudicam a digestibilidade do grão. Os taninos se complexam com a proteína e o carboidrato, reduzem a ação das enzimas e interferem no metabolismo dos nutrientes. Atualmente, a maior parte da utilização do sorgo comercializado é de baixo tanino, portanto, vamos tomá-lo como comparativo ao milho em nossa simulação de custos.


Sobre análise de custos:

Considerando o manual nutricional e a curva de consumo e crescimento da Genética Agroceres PIC, faremos uma simulação sobre o custo de fórmulas entre milho e sorgo. As fórmulas serão calculadas a “mínimo custo” e utilizaremos como base comparativa entre as duas matérias-primas a composição bromatológica encontrada em nossas análises de campo no ano de 2018.

Simulando um conjunto de fórmulas (três fases) para animais de 70 a 154 dias de idade e considerando o preço da saca (60 kg) do milho de R$ 36,00, encontramos um custo com ração por animal de R$ 175,59, como mostra a tabela abaixo.

Idade (dias) Fase Peso esperado no final da fase (kg) PIC 2018 Consumo com Milho (kg) PIC 2018 R$/kg Dietas com Milho R$ com Ração
70 a 98

Crescimento 1

52,600

48,900

R$ 0,933

R$ 45,62

99 a 126

Crescimento 2

82,200

68,000

R$ 0,879

R$ 59,77

127 a 154

Acabamento

112,300

78,700

R$ 0,892

R$ 70,20

Total

195,600

R$ 175,59

 

Considerando uma diferença média de digestibilidade entre milho e a utilização de sorgo de 5%, e um aumento estimado de 5% na CA (lembrando que a CA pode ser afetada também por outros fatores produtivos), teremos que o animal consumirá 5% a mais de ração para chegar no mesmo peso. De acordo com nossa simulação, o preço do sorgo necessário para obtermos o mesmo custo de produção com o milho é de R$ 31,50 a saca, conforme a tabela abaixo.

Idade (dias) Fase R$/kg Dietas com Milho Consumo com Sorgo (aumento de 5%) Custo de dietas sorgo para igualar o custo do animal com dietas milho
70 a 98

Crescimento 1

R$ 45,62

51,345

R$ 0,888

99 a 126

Crescimento 2

R$ 59,77

71,400

R$ 0,837

127 a 154

Acabamento

R$ 70,20

82,635

R$ 0,849

Total

R$ 175,59

205,380

 

Portanto, podemos afirmar que o custo de produção entre milho e sorgo são iguais quando o preço do sorgo é 12,5% menor que o preço do milho. Em outras palavras, quanto maior for a diferença, a partir de 12,5%, menor é o custo de produção com a utilização do sorgo.

Como sugestão, a utilização do sorgo deve ser direcionada principalmente em dietas de gestação, crescimento e terminação, pois só nessas três fases contemplamos 81% da ração utilizada na granja (figura abaixo). Nesse sentido, qualquer redução de custo de fórmula terá um impacto muito grande no custo da granja.

utilização do sorgo

Considerações:

A diferença entre utilização do sorgo e de milho irá depender, principalmente, da complexidade da fórmula utilizada. Além de ter uma condição fabril adequada para a armazenagem e utilização desses ingredientes, podemos então dizer que a diferença cai para 12,5% no cenário avaliado.

A cada tomada de decisão de compra devemos realizar uma simulação com o nutricionista responsável pelas fórmulas da granja. Somente dessa forma teremos a certeza de estar fazendo um bom negócio.

Um ponto prático que devemos considerar na utilização do sorgo é a maior proteção do grão contra os ataques de fungos. Em alguns casos, isso confere ao sorgo qualidade superior ao de alguns milhos, principalmente em épocas de início de safra da soja, em que há uma grande retirada do chamado “milho de fundo de silo” para dar espaço à soja colhida.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MARQUES, B.M.F.P.P.; ROSA, G.B.; HAUSCHILD, L.; CARVALHO, A.D’A.; LOVATTO, P.A.. Substituição de milho por sorgo baixo tanino em dietas para suínos: digestibilidade e metabolismo. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.59, n.3, p.767-772, 2007.

FIALHO. E. T. Alimentos Alternativos para Suinos. Editora UFLA/FAEPE, 2009.

Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais / editor: Horacio Santiago Rostagno. – 3. ed. – Viçosa, MG: UFV, DZO, 2011.

ROSTAGNO, H.S.; ALBINO, L.F.T.; HANNAS, M I.,et al. Tabelas brasileiras para aves e suínos. ED. ROSTAGNO, H.S. Viçosa: UFV, 252p., 2017.

Exigências nutricionais de suínos / Subcomitê de Nutrição de Suínos, Comitê de Nutrição Animal, Conselho de Agricultura, Nacional. Conselho de Pesquisa. – 10ª rev. ed. 1998.

Exigências nutricionais de suínos / Comitê de Exigências Nutricionais dos Suínos, Diretoria

Agricultura e Recursos Naturais, Divisão sobre Terra e Estudos da Vida. – 11ª rev. ed. 2012

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui