10 mandamentos da boa suplementação

0
784

Na “cesta” de tecnologias que garantem ganhos de produtividade, certamente a nutrição tem lugar de destaque, tanto para intensificação da cria quanto da recria/engorda, mas, para obter bons resultados, é preciso avaliar e definir a estratégia de suplementação adequada à realidade de cada fazenda, além de saber implementá-la, ajustá-la e monitorá-la, para tudo o que foi planejado saia de fato do papel e aconteça na prática. Seguindo o ciclo PDCA (sigla de Plan, planejar; Do, executar, Check, checar e Act, agir), ferramenta de gestão de grande utilidade, é possível listar 10 mandamentos para uma boa suplementação:

1. Suplemente com base em metas
Primeiro é preciso planejar. Defina qual resultado anual você deseja obter por ha (lucro e margem) e escolha uma estratégia nutricional para atingir essa meta. Busque referências sobre o ganho médio diário (GMD) esperado para aquela estratégia e veja se ela suporta a meta estabelecida. Procure adotar planos nutricionais crescentes.

2. Planeje o fluxo de caixa
Cada estratégia nutricional tem uma necessidade de caixa (em R$/cabeça/mês). Não se esqueça de avaliar se o desembolso proposto está ajustado ao orçamento com nutrição. Defina um percentual do custo cabeça/dia que poderá ser atribuído à suplementação (por exemplo: 20% a 30% da diária do animal).

3. Ajuste o suplemento à qualidade do pasto
Lembre-se de que a composição da forragem muda ao longo do ano, isso demandará ajustes na formulação do suplemento, principalmente em relação à quantidade e perfil de proteína da fórmula. Pasto seco irá demandar mais proteína na formulação do que pasto de águas.

4. Utilize aditivos promotores
Já existem inúmeros estudos apontando o incremento do GMD com o uso de aditivos promotores (monensina, salinomicina, flavomicina, virginiamicina, dentre outros). Estas moléculas em uso combinado ao suplemento apresentam efeito sinérgico, onde, 1+1 é maior do que 2.

5. Estabeleça uma rotina de fornecimento
Concluído o planejamento, capriche na execução, estabelecendo uma rotina correta de fornecimento. Se usar suplemento com regulador de consumo (reposição de duas a três vezes por semana), não deixe faltar produto no cocho. Se o suplemento for de distribuição diária, faça o trato sempre no mesmo horário. Caso se trate de produto de alto consumo, escolha horários mais quentes do dia.


6. Garanta o espaçamento de cocho correto
Certifique-se de que você está usando o espaçamento de cocho correto para a estratégia nutricional escolhida. De nada adianta “dar comida” aos animais se eles não tiverem acesso ao “prato”. Quando se fornece suplemento de maior consumo (trato diário), que os bovinos ingerem imediatamente após sua distribuição, é preciso garantir acesso de todos os indivíduos do lote ao cocho, simultaneamente. Na prática, se o número de animais de cada lado do cocho for semelhante, está quase faltando espaço. Normalmente, no caso de suplementos de menor consumo, trabalha-se com 8 a 10 cab/metro de cocho e, nos de maior consumo, com 4 a 5 animais.

7. Monitore o consumo dos animais
Definidos os parâmetros de realização do trato, é fundamental estabeleçer um protocolo de checagem de consumo do suplemento, para avaliar se este está de acordo com a meta. Caso foque acima ou abaixo, reveja a formulação para ajustar os níveis nutricionais.

8. Avalie o escore de fezes
Assim como no confinamento, o escore de fezes é uma forma indireta de avaliar o processo de fermentação no rúmen do animal. Fezes muito secas ou aneladas são um alerta de que o rúmen não está funcionando bem e o suplemento está desbalanceado.

9. Verifique se GMD foi igual ao planejado
Ao final de etapa, pese os animais para aferição do GMD e compare-o com a meta proposta. Busque aprender com os erros (GMD abaixo da meta) e acertos (GMD acima). Questione-se sobre o porquê das coisas e defina ações corretivas para o próximo ciclo produtivo (4ª etapa do PDCA), visando melhoria contínua.

10. Lembre-se, a base do sistema é o pasto
O suplemento deve apenas complementar o que falta na pastagem. A premissa básica de um bom programa de suplementação é potencializar os processos fermentativos no rúmen e o consumo de forragem pelo animal. Nunca se esqueça: o sucesso da boa nutrição mora no pasto.

 

Autora: Maristela Franco, editora chefe da Revista DBO.


Nutrição Animal – Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO