Início Suínos Informação de qualidade: o melhor indicador dentro de uma granja

Informação de qualidade: o melhor indicador dentro de uma granja

0
201
Tecnologia na suinocultura

Tecnologia na suinocultura

Qual o número de dias não produtivos (DNP) da sua granja? E o kg/desmamado/fêmea/ano? Estamos realmente gerindo os índices produtivos e temos à nossa disposição dados precisos e confiáveis para avaliação que auxilie na tomada de decisão?

Essas perguntas, aparentemente, são fáceis de responder, porém quando trabalhamos com dados inconsistentes ou até mesmo inexistentes, nos deparamos com dificuldades para realização de um diagnóstico preciso da “saúde produtiva” da granja.

A gestão dos indicadores na unidade de produção é formada por quatro pilares. São eles:

1 – Coleta de dados: A coleta de dados é realizada logo após a realização dos eventos (parto, número de nascidos, natimortos, cobertura, repetição de cio, aborto, etc.). A coleta pode ser realizada de forma manual, através de formulários específicos ou através de aplicativo digital com conexão ao banco de dados de um software de gestão. É imprescindível que os dados coletados no setor de produção sejam fidedignos, evitando assim, análises e tomadas de decisões equivocadas, com base em informações “mascaradas”, ou seja, que não retratam a realidade da granja;

2 – Armazenamento: Atualmente, o tradicional caderno de anotações dos eventos da granja cedeu lugar para os softwares de gestão, os quais nos proporcionam uma grande segurança no armazenamento das informações, reduzindo o risco de perda de dados. Apesar disso, é recomendado mantermos, por um curto período (um ciclo produtivo), os formulários físicos, como recurso para rastreabilidade de informações em casos de possíveis inconsistências futuras. Isso possibilita a correção do problema. Mas lembre-se: informação de qualidade deve ser coletada com qualidade desde o início do processo.

3 – Análise: Esse é um ponto que requer habilidades técnicas e gerenciais para correta interpretação dos números. No quadro abaixo, vamos ilustrar a seguir duas situações:

Quadro 1. Comparativo produtivo entre duas granjas

Indicador

Granja 1

Granja 2

Número de matrizes

1000

1000

Número de desmamados

13

13

Taxa de parição (%)

93

93

Repetição de cio (%)

4

4

Aborto (%)

1

1

Morte e descarte (%)

1

1

Adaptado de Agriness – Pensamento +1

O gestor que se depara com as informações acima, certamente afirmará: “As duas granjas apresentam o mesmo desempenho”. Porém essas informações são superficiais e devemos aprofundar nossa análise a fim de explorarmos mais os dados disponíveis. Sendo assim, chegamos a novas informações (Quadro 2), que podem nos mostrar um caminho:

Quadro 2. Comparativo produtivo entre duas granjas

 Indicador

Granja 1

Granja 2

Dias não produtivos

7

12

Parto/fêmea/ano

2,43

2,35

Número de leitões desmamados/ano

31590

30550

 

A partir das novas informações podemos afirmar que as duas granjas do nosso exemplo hipotético apresentam uma diferença importante entre si: São 1040 leitões a mais, entregues anualmente pela granja 1, que corresponde a 87 leitões por mês ou 20 por semana.

Mas afinal, onde está a diferença? Como temos uma diferença importante no número de dias não produtivos que, consequentemente, impactam no número de partos/fêmea/ano e desmamados/ano, nos sugere que nossas perdas podem estar ocorrendo durante o período de gestação e em diferentes fases. Por exemplo:

 

Granja 1:

– Retornos regulares (21 dias de gestação);

– Abortos com maior ocorrência aos 50 dias de gestação;

– Falsa prenhez detectada aos 35 dias, com auxílio do ultrassom.

 

Granja 2:

– Retornos irregulares (35 dias de gestação);

– Abortos – maior ocorrência aos 90 dias;

– Falsa prenhez detectada ao final de gestação (110 dias);

Com base nos dados analisados, temos informações para passarmos para a próxima etapa, que é a tomada de decisão.

Tecnologia na suinocultura

Tomada de decisão: Terminada a análise, chegamos ao ponto onde precisamos agir na raiz do problema para buscar a melhoria do índice.

  • O que podemos fazer para igualar a granja 2 ao mesmo patamar da granja 1?
  • O que está causando a maior incidência de retornos ao cio irregulares?
  • Problemas com sanidade? Ambiência? Micotoxinas?
  • Da mesma forma, qual a causa da ocorrência de abortos aos 90 dias?
  • E a falsa prenhez pode ser identificada precocemente com o uso de tecnologias como o ultrassom ou, simplesmente, com melhora na qualidade da detecção de cio?

Para respondermos essa série de perguntas precisamos analisar os desafios de cada granja e assim sermos precisos nas ações a serem implementadas para melhoria dos resultados, lembrando que todos os pilares anteriormente citados precisam ser confiáveis para não corrermos o risco de implantarmos boas ações, porém, baseado em informações inverídicas ou inexistentes.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO