Início Suínos Ferramentas tecnológicas e inovadoras na Suinocultura: Muito Mais que Nutrição

Ferramentas tecnológicas e inovadoras na Suinocultura: Muito Mais que Nutrição

0
645
ferramentas tecnológicas

Com o elevado custo de produção e a necessidade de atender o consumo de proteína animal da população, a demanda por maior eficiência de produção vem se tornando de grande importância na suinocultura. Sabendo disso, o manejo nas granjas de suínos vem abrindo espaço para a aplicabilidade, cada vez mais intensiva, de ferramentas tecnológicas e inovadoras que garantem um acompanhamento mais acurado dos dados relevantes para a produção eficiente.

Hoje, as tecnologias disponíveis no mercado ainda não permitem o acompanhamento preciso do consumo de nutrientes dos animais. Para que isso seja possível, é necessária à coleta periódica de dados em granjas, tais como:

Com isso, elabora-se modelos de predição em função do GPD e CR que, posteriormente, serão atualizados em formulações de ração.

A Nutrição Eficiente engloba a coleta de dados com informações detalhadas sobre o estado fisiológico e as necessidades específicas de cada lote e/ou indivíduo. Além disso, faz-se o uso de tecnologias inovadoras, como modelos matemáticos acurados, softwares especializados e equipamentos de última geração para agregar as bases de dados de consumo de ração, resultando, assim, na quantidade de cada nutriente a ser fornecida aos animais.

Pensando na aplicabilidade de ferramentas tecnológicas em granjas, a Nutrição Eficiente não visa apenas reduzir a conversão alimentar, mas garantir que os animais se alimentem do estritamente necessário, sem sobras de nutrientes, evitando desperdícios e maximizando a digestão e absorção dos nutrientes fornecidos por meio da ração.

Para tal, os modelos matemáticos são ajustados em programas computacionais para que incluam informações de:

        • variações de temperatura em tempo real nos galpões (considerando as diferentes localizações das granjas em todo o país),
        • densidade adequada dos lotes em todas as fases e, além disso, levando em consideração a genética utilizada, para que o animal possa expressar o máximo potencial genético.

Os autores Pomar, Andretta e Remus (2021) ressaltam que a inclusão correta de lisina, cálcio e fósforo individuais em dietas de suínos é o principal foco das pesquisas em nutrição animal.

Segundo eles, é possível reduzir em mais de 40% a excreção de nitrogênio, fósforo e outros constituintes poluentes ao meio ambiente, além de poder reduzir a ingestão de lisina, passando de 15% para 27%.

Sendo assim, é importante assumir a variabilidade do crescimento entre os indivíduos de mesmo material genético, e entre bases genéticas diferentes. Afinal, apesar de animais com a mesma base genética iniciarem determinada fase de criação com o peso corporal semelhante entre si, a taxa de crescimento e a composição corporal do ganho pode variar de forma significativa.

nutrição de precisão
Fonte: Adaptado de Remus, A. (Agriculture and Agri-Food Canada).

A ferramenta tecnológica terá o intuito de atuar no melhor aproveitamento dos nutrientes presentes na ração a partir de modelos matemáticos acurados para as exigências nutricionais, atuando na conversão de lisina e monitoramento de consumo de ração e peso corporal. Desse modo, mostra-se a importância de estimar melhor as necessidades dos animais e atingir os objetivos produtivos, modulando o perfil de crescimento desejado para o abate.

Como as ferramentas tecnológicas poderiam fornecer informações para auxiliar em soluções para as granjas?

Em um primeiro momento, a ferramenta tecnológica analisa o modo de operação dos sistemas de alimentação, seja convencional por fases, ou individual diário. E, assim como a temperatura ambiental, os desafios sanitários também são analisados, pois afetam o metabolismo dos nutrientes e as exigências nutricionais de cada fase de criação dos suínos.

O passo seguinte é a abordagem do uso de estratégias para a formulação de dietas ajustadas ao estado fisiológico e às exigências de mantença e produção de suínos. Dessa forma, sempre considerando uma menor proporção de nutrientes, ressignificando todo o excesso nutricional, como, por exemplo, excreção de nitrogênio, fósforo e outros.

Dentre as vantagens do uso de ferramentas tecnológicas e inovadoras, estão:

        • o alcance da homogeneidade e eficiência produtiva desejadas dos lotes,
        • a redução dos custos de produção pela maior precisão na oferta da alimentação animal,
        • eficiência em sustentabilidade ambiental pela menor excreção de nutrientes não aproveitados pelos animais, e
        • acompanhamento da curva de crescimento.

A coleta de dados para as ferramentas tecnológicas deve abranger informações relevantes de acordo com o objetivo de desempenho produtivo das granjas, tais como pesagem corporal individual, consumo médio diário de ração, temperatura ambiental, densidade dos lotes e comportamento ingestivo, a partir do acompanhamento diário ou semanal dos animais. Como resultado, deve-se ter o ajuste do consumo de nutrientes, evitando excessos ou deficiências destes nas formulações das rações.

Ademais, além de fornecer a quantidade correta de nutrientes, proporcionando eficiência à absorção intestinal, deve-se cuidar para garantir a composição correta de nutrientes na dieta. É crucial a obtenção de matrizes nutricionais exclusivas e atualizadas, otimização da saúde, conversão alimentar e desempenho reprodutivo dos animais, pensando além do desperdício dos nutrientes.

Vale destacar que o uso de tecnologia na suinocultura, por meio de controle operacional e acurácia de manejo nutricional, é fundamental quando se almeja aumento de produtividade, sustentabilidade e auxílio na tomada de decisão.

Conforme as pesquisas avançam na suinocultura, as ferramentas tecnológicas estão se tornando cada vez mais importantes e sendo utilizadas nas granjas comerciais para o monitoramento dos dados dos animais e das instalações, promovendo eficiência ao manejo dos animais e visando melhores índices zootécnicos. Essa aplicabilidade está sendo posta em prática pela Agroceres Multimix, por meio de banco de dados estruturados oriundos de 253 projetos de pesquisa executados e em andamento, envolvendo 160 mil animais alojados no Centro de Pesquisa e Granja Paraíso.

Desse modo, informações de temperatura anormal em relação à zona de termoneutralidade de cada fase de criação, densidade acima ou abaixo do valor de k, pressão de seleção genética para tais características e condições sanitárias, já estão consistentes e distribuídas em pesquisas que objetivam:

        • orientações técnico-nutricionais;
        • desenvolvimento de produtos;
        • melhorias de produtos,
        • avaliação de ingredientes,
        • desenvolvimento de conceitos nutricionais para que seja possível simular e predizer o desempenho dos animais e a viabilidade econômica na produção de suínos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO