Início Aves de Postura Importância da qualidade dos ovos para o sucesso na incubação

Importância da qualidade dos ovos para o sucesso na incubação

0
1374
capa: ovos durante a incubação

Os principais problemas reprodutivos encontrados em lotes de matrizes pesadas são: a queda na produção de ovos, perda na qualidade da casca do ovo, aumento do número de ovos com gema dupla, aumento do número de ovos inférteis, aumento da mortalidade e perdas embrionárias durante o processo de incubação (ROBINSON et al., 1991).

Sabe-se que a qualidade do pinto está diretamente relacionada com a qualidade do ovo que será incubado. Sendo assim, é primordial que haja, tanto na granja quanto no incubatório, condições adequadas de biosseguridade que visem a sanidade dos ovos.

Classificação dos ovos

A classificação de ovos consiste em selecionar manualmente – ou mecanicamente – os ovos considerados incubáveis, buscando com isso manter a uniformidade dos lotes. Logo, os critérios básicos para proceder a classificação dos ovos são: idade das matrizes, integridade, forma, sujidade da casca e o tamanho do ovo.

Ovos férteis de matrizes pesadas

Ovos férteis provenientes de matrizes pesadas apresentam variações de peso, tamanho, qualidade de casca e relação entre o peso da gema e o peso do ovo durante o ciclo produtivo, alterando o rendimento na incubação (VIEIRA & MORAN, 2001; ROSA et al., 2002; ROCHA, et al., 2008). Matrizes jovens têm ovos menores, apresentando membrana e cutícula da casca mais espessas, albúmen mais viscoso e menor fonte de nutrientes, além da redução da perda de umidade e das trocas gasosas, o que contribui para a eclosão de pintos menores (BRAKE et al., 1997; SANTOS et al., 2009).

Tais fatores, em associação à menor disponibilidade de nutrientes para o embrião, devido à baixa capacidade das aves jovens de transferir lipídios para a gema do ovo, podem comprometer a viabilidade embrionária nos estágios iniciais de desenvolvimento e reduzir a taxa de eclosão (BENTON & BRAKE, 1996; ROCHA et al., 2008). O conteúdo da gema influencia a viabilidade e a composição corporal do embrião, os pintos de matrizes novas são menores à eclosão (SUAREZ et al., 1997) e considerados de qualidade inferior quando comparados aos produzidos pelas aves mais velhas (WEYTJEN et al., 1999; VIEIRA, 2001).

Peso do ovo

Com a progressão da idade da matriz, ocorre um aumento no peso do ovo (ROQUE & SOARES, 1994) com redução na eclodibilidade. Isso porque os embriões desenvolvidos nos ovos maiores são menos tolerantes ao excessivo calor metabólico produzido no final do período de incubação (FRENCH, 1997; BOERJAN, 2006; LOURENS et al., 2006). Diversos autores (VIEIRA & MORAN, 2001; JOSEPH & MORAN Jr., 2005; TANURE et al., 2009), relataram que a perda de peso na incubação, em ovos produzidos por matrizes velhas, pode ser justificada pela maior porosidade e menor espessura da casca.

O peso desejado de ovos incubáveis é de, no mínimo, 50 g e não se limita o máximo, com exceção aos ovos de duas gemas (ARAÚJO & ALBINO, 2011). Portanto, a definição das faixas de peso é muito importante durante a classificação dos ovos, uma vez que ovos de diferentes pesos originam pintos de pesos diferentes, implicando em desuniformidade do lote.

Eclodibilidade dos ovos

A eclodibilidade dos ovos com tamanho intermediário é melhor quando comparada a dos ovos maiores ou menores (WILSON, 1991). Avaliando a eclodibilidade dos ovos das matrizes Cobb, desde 27 até 60 semanas de idade, Tona et al. (2001) observaram a menor mortalidade embrionária e, consequentemente, a melhor eclodibilidade dos ovos produzidos quando as matrizes estavam com 40 a 42 semanas de idade. Independentemente da idade da matriz, as taxas de mortalidade embrionária foram maiores na primeira semana e ao final do período de incubação (18 a 21 dias).

Pintinhos

Qualidade da casca para o bom rendimento na incubação e a qualidade do pinto

A qualidade da casca é um importante fator para o bom rendimento na incubação e a qualidade do pinto. Narush & Romanov (2002) demonstraram que a porosidade e a espessura da casca são fatores de maior influência sobre o desenvolvimento embrionário e Peebles E Macdaniel (2004) relataram que há uma associação entre qualidade de casca e eclodibilidade (SANTOS et al., 2007).

A determinação da gravidade específica é um método indireto e eficaz para avaliar a qualidade da casca de ovos incubáveis. Além disso, vem sendo utilizada para determinar sua relação com fatores produtivos, como: taxa de fertilidade, eclosão total, percentagem de perda de peso dos ovos durante o período de incubação, qualidade dos pintos de um dia e no seu desempenho a idade ao abate (INGRAM et al., 2008; MOYLE et al., 2008). Vale ressaltar a importância da relação entre o peso do ovo e a gravidade específica, em que o peso do ovo aumenta ao passo que a gravidade específica diminui com a idade das reprodutoras (ÁVILA et al., 2005).

De acordo com Rosa (2021), matrizes jovens, de até 40 semanas de idade, em média, apresentam ovos com densidades médias maiores (≥1080) necessitando menor umidade para uma perda de peso padrão adequada do que matrizes mais velhas, acima de 55 semanas, com postura de ovos com densidades médias menores (=1070). As matrizes de idade intermediária (40 a 55 semanas) apresentam uma proporção maior de ovos com densidade entre 1070 e 1080. A densidade próxima a 1080 está relacionada à melhor qualidade da casca do ovo. Ovos com densidade de 1070 possuem espessura mais fina e maior porosidade, alterando a condutância da casca. Isso explica o maior grau de contaminação dos embriões e a maiores perdas de peso no período de incubação (ROSA & ÁVILA 2000; TANURÉ; CAFÉ; BAIÃO, 2009).

A qualidade e a espessura da casca são essenciais para o desenvolvimento do embrião. Schmidt et al. (2003), observaram que a espessura da casca inferior a 0,27mm dificilmente mantém o embrião vivo até o fim do ciclo da incubação, e que a espessura entre 0,33 a 0,35mm obteve melhor resultado.

Formato do ovo influencia na resistência da casca

O formato do ovo tem grande influência sobre a resistência da casca. As variações no formato do ovo o tornam mais frágil ou resistente à perfuração pelo pinto ao nascimento (SCHMIDT et al., 2003). De acordo com Albino (2005), os formatos compridos ou excessivamente redondos possuem tendência de quebrar durante o processo de viragem nas incubadoras. Contudo, o ovo considerado ideal para incubação é o de formato ovalado (LAUVERS & FERREIRA, 2011).

North (1972), constatou que ovos trincados, com casca deformada, mole, enrugada ou achatados nos polos, não devem ser incubados, pois todos esses fatores proporcionaram baixo rendimento de incubação. Em concordância, Narahari et al. (2000), afirmaram que ovos com microtrincas, danos e lesões na casca aumentam a mortalidade embrionária devido ao aumento da perda evaporativa.

Postura sobre a cama resulta na produção de ovos com altos níveis de contaminação

A postura sobre a cama resulta na produção de ovos com altos níveis de contaminação. Barbour & Nabutt (1982), constataram maior contaminação bacteriana em ovos coletados na cama do que em ovos recolhidos dos ninhos. Em um estudo sobre fatores que afetavam significativamente a eclodibilidade de ovos de matrizes, Ross, Heier & Jarp (2001), identificaram que, dentre outros fatores, o uso de ovos coletados da cama esteve associado a piores resultados para essa variável.

De acordo com Murarolli (2008), ovos com casca suja podem ser incubados, desde que sejam em incubadoras separadas, pois apodrecem e explodem mais nas incubadoras devido à maior contaminação verificada nos mesmos. Dessa maneira, ovos sujos têm menor taxa de eclodibilidade quando comparado aos limpos (ARAÚJO & ALBINO, 2011).

Os ovos postos sobre a cama são contaminados e exigem cuidados especiais na coleta e higiene, começando com a higienização das mãos dos funcionários, sempre após realizarem coleta ou ao manipularem esses ovos. Outro ponto importante é o controle e a redução da umidade da cama, pois diminuem a contaminação dos ovos, o que reflete nos resultados de incubação.

Diante do que foi abordado, fica claro que o sucesso da incubação e a obtenção de pintainhos de qualidade são dependentes de vários fatores, dentre eles a qualidade do ovo a ser incubado. Desta forma, é de extrema importância que todo o manejo e biosseguridade realizado na granja e no incubatório sejam eficientes para maximizar os resultados zootécnicos.

Nutrição Animal – Agroceres Multimix

 

Referências Bibliográficas

ALBINO, L.F.T. Criação de Frango e Galinha Caipira: Avicultura Alternativa. 2.ed. Viçosa – MG, p. 94-109, 2005.

ARAÚJO, W.A.G. & ALBINO, L.F.T. Incubação Comercial. 1. ed. Viçosa – MG: Transworld Research Network, 2011. 171p.

AVILA, V.S.; PENZ JUNIOR, A.M.; BRUM, A.R. de; GUIDONI, A.L.; ROSA, P.S.; COLDEBELLA, A. Produção e qualidade de ovos em reprodutoras de frangos de corte com horário de arraçoamento diferenciado. Revista Brasileira de Zootecnia, v.34, p.1202-1209, 2005.

BARBOUR, E.K. & NABBUT, N.H. Isolation of salmonella and some other potential pathogens from two chicken breeding farms in Saudi Arabia. Avian Dis.; v. 26, n. 2, p.:234-44, 1982.

BENTON, C. E.; BRAKE, J. The effect of broiler breeder age and lenght of egg storage on egg albumen during early incubation. Poultry Science, Champaign, v. 75, p.1069-1075, 1996.

BOERJAN, M.L. Incubação em estágio único para melhorar a uniformidade. In: Conferência APINCO de Ciência e Tecnologia Avícola, Campinas, SP. Anais… Campinas: FACTA, p.325-333, 2006.

BRAKE, J.; WALSH, T.J.; BENTON, C. E. Jr.; PETITTE, J.N.; MEIJERHOF, R.; PEÑALVA, G. Egg handling and storage. Poultry Science, Champaign, v.76, p. 144- 151,1997.

FRENCH, N.A. Modeling Incubation temperature: the effects of incubator design, embryonic development, and egg size. Poultry Science, Tarvin, v. 76, p.124 -133, 1997.

HEIER, B.T. & JARP, J. An epidemiological study of the hatchability in broiler breeder flocks. Poult. Sci., v. 80, p. 1132–1138, 2001.

INGRAM, D.R.; HATTEN, L.F.; HOMAN, K.D. A study on the relationship between eggshell color and eggshell quality in commercial broiler breeders. International Journal of Poultry Science, v.7, p.700-703, 2008.

JOSEPH, N. S.; MORAN Jr, E.T. Characteristics of eggs, embryos, and chicks from broiler breeder hens selected for growth or meat yield. The Journal of Applied Poultry Research, North Carolina, v. 14, p.275-280, 2005.

LAUVERS, G. & FERREIRA, V.P. Fatores que afetam a qualidade dos pintos de um dia, desde a incubação até recebimento na granja. Revista científica eletrônica de medicina veterinária – p.1679-7353, Minas Gerais, 2011.

LOURENS, A.; MOLENAAR, R.; VAN DEN BRAND, H. et al. Effect of egg size on heat production and the transition of energy from egg to hatchling. Poultry Science, v. 85, p. 770-776, 2006.

MOYLE, J.; YOHO, D.; BRAMWELL, K. Measuring hatching egg shell quality. Avian advice, v.10, p.7-9, 2008.

MURAROLLI, A. Arte de Incubar parte 1, 2, 3 e 4. 2008. Disponível em: . Acesso em: 28/11/2017.

NARAHARI, D. et al. Methods to improve the hatchability of checked chicken eggs. British Poultry Science, v.41, n.2, p.178-181, 2000.

NARUSHIN, V.G.; ROMANOV, M.N. Egg physical characteristics and hatchability. World’sPoultry Science Journal, v.58, n.3, p.297-303, 2002.

NORTH, M.O. Commercial Chicken Production Manual. Westport: The Avi Publishing, p. 21- 30, 1972.

PEEBLES, E. D.; BRAKE, J. Relationship of eggshell porosity to stage of embryonic development in broiler breeders. Poultry Science, v.64, p.2388-2391, 1985.

ROBINSON, F.E.; ROBINSON, N.A.; SCOTT T.A. Reproductive performance, growth and body composition of full-fed versus feed-restristed broiler breeder hens. Can J Anim Sci, v.71, p.549-556, 1991.

ROCHA, J. S. R.; LARA, L. J. C.; BAIÃO, N. C.; CANÇADO, S. V.; BAIÃO, L. E. C, SILVA, T. R. Efeito da classificação dos ovos sobre o rendimento de incubação e os pesos do pinto e do saco vitelino. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 60, n.4, p.979-986, 2008.

ROQUE, L.; SOARES, M. C. Effects of eggshell and broiler breeder age on hatchability. Poultry Science, v. 73, p. 1838- 1845, 1994.

ROSA, P. S. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Incubação. Brasília: Embrapa, 2021. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/frango_de_corte/arvore/ CONT000fy1j9mkr02wx5ok0pvo4k3kktngb1.html. Acesso em: 21 set. 2021.

ROSA, P. S. e ÁVILA, S. V. Variáveis relacionadas ao rendimento da Incubação de ovos em matrizes de frangos de corte. Comunicado Técnico/Embrapa suínos e aves.n. 246, p. 1-3, concórdia, 2000.

ROSA, O. S. A.; GUIDONI, A. L.; LIMA, I. L.; BERCH, F. X. R. Influência da temperatura de incubação em ovos de matrizes de corte de diferentes idades e classificados por peso sobre os resultados de incubação. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 31, v.2, p.1011-1016, 2002

SANTOS, J. E. C.; GOMES, F. S. G.; BORGES, G. L. F. N.; SILVA, P. L. S.; CAMPOS, E. J.; FERNANDES, E. A.; GUIMARÃES, E. C. Efeito da linhagem e da idade das matrizes na perda de peso dos ovos e no peso embrionário durante a incubação artificial. Bioscience Journal, Uberlândia, v.25, n.1, p.163-169, 2009.

SANTOS, J. FORNARI, M. C.; TÉO, A. M.. Influência da qualidade da casca do ovo sobre índices de produtividade de um incubatório industrial. Ciência Rural, Santa Maria, v.37,n.2, p. 524- 527, mar-abr. 2007.

SCHMIDT, G.S.; FIGUEIREDO, E.A.P.; ÁVILA, V.S. Incubação: Característica dos Ovos Incubados. Circular técnica 35: Embrapa Suínos e Aves, 2003. 12p. Disponível em:< https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream /item/124277/1/CIT-35.pdf>. Acesso em: 20/10/2017.

SUAREZ, M.E.; WILSON, H.R.; MATHER, F.B.; WILCOX, C.J.; MCPHERSON, B.N. Effect of strain and age of the broiler breeder female on incubation time and chick weight. Poultry Science, v. 76, p. 1029-1036, 1997.

TANURE, C. B. G. S.; CAFÉ, M. B.; LEANDRO, N. S. M.; BAIÃO, N. C.; STRINGHINI, J. H.; GOMES, N. A. Efeitos da idade da matriz leve e do período de armazenamento de ovos incubáveis no rendimento de incubação. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v.61, n.6, p.1391- 1396, 2009.

TONA, K.; BAMELIS, F.; COUCKE, W. et al. Relationship between broiler breeder’s age and egg weight loss and embryonic mortality during incubation in large-scale conditions. Journal of Applied Poultry Research, v. 10, p. 221-227, 2001.

VIEIRA, S. L.; MORAN, J. R. E. T. Broiler yields using chicks hatched from eggs weight extremes and diverse strains. Journal of Applied Poultry Research, Athens, v.7, n.4, p.339- 346, 2001.

WEYTJENS, S.; MEIJERHOF, R.; BUYSE, J.; DECUYPERE, E. Thermoregulation in chicks originating from breeder flocks of two different ages. Journal of Applied Poultry Research, v. 8, n. 2, p. 139-145, 1999.

WILSON, H.R. Physiological requirements of the developing embryo: temperature and turning. In: TULLET, S.G. Avian Incubation. Butterworths, London, 1991. p.145-156.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO