Início Bovinos de Leite Pós-Parto: manejo nutricional para o sucesso da lactação

Pós-Parto: manejo nutricional para o sucesso da lactação

0
27
pós-parto de vacas leiteiras agvitta

As vacas leiteiras modernas são resultado de inúmeros melhoramentos que as fazem verdadeiras máquinas de produção de leite, função que desempenham muito bem e está diretamente ligada à lucratividade da fazenda. No entanto, o período pós-parto traz consigo inúmeras condições, como aumento da sensibilidade a mudanças no ambiente, maior propensão a distúrbios metabólicos e quedas de imunidade.

É no período pós-parto que ocorre o maior índice de mortes e descartes involuntários por questões relacionadas à saúde dos animais. Não podemos nos esquecer que tudo o que vier a ocorrer no período pós-parto é reflexo do que acontece no período do pré-parto e ambas as fases estão positivamente correlacionadas com o sucesso da próxima lactação.

A vaca, que hoje está gestante, passará a lactante, o que significa que muitas mudanças ocorrem num curto prazo de tempo. Conforme a data do parto se aproxima, vacas vão diminuindo a capacidade de ingestão de energia liquida.

Enquanto, antes do parto, a demanda se mantém baixa, a vaca ainda permanece em balanço energético positivo. Logo após o parto, a demanda por energia para lactação dá um grande salto. Em contrapartida, a capacidade de ingestão não acompanha tal demanda. Esta situação causa um fenômeno chamado de Balanço Energético Negativo (BEN).

Nesse cenário, as estratégias nutricionais são uma importante ferramenta para atender às necessidades específicas dos animais neste período. Juntamente com o maior conforto possível, isso refletirá em melhora dos níveis de produção e, consequentemente, em maior produtividade para a fazenda.

Conseguir aproximar a composição dos alimentos ofertados no pré-parto e no pós-parto, respeitando as particularidades de cada fase, pode refletir em sucesso no que diz respeito à geração de maior atratividade dos animais pelo alimento e, consequentemente, aumento do consumo.

Oferecer alimentos proteicos e energéticos, com forragens de alta qualidade no pré-parto, ajudará o animal a estar mais habituado a esse tipo de alimento após o parto, e isso se refletirá em amenização dos problemas de consumo, comuns no pós-parto.

Outro ponto positivo desse trabalho de aproximação dos alimentos oferecidos nas duas fases, diz respeito à adaptação ruminal. Os micro-organismos do rúmen demoram para se adaptar a alguns alimentos e quando, por exemplo, conseguimos manter a forragem pré-parto e pós-parto com qualidade similar, conseguimos ter maior capacidade de crescimento microbiano e, consequente adaptação dos micro-organismos do rúmen.

Desta maneira, conseguimos atender ao pré-parto de forma efetiva, maximizando consumo, que vai se refletir positivamente no período pós-parto.

Exigências Nutricionais

pós-parto de vacas leiteiras agvitta

Quando formulamos dietas para o período pós-parto é muito comum termos a situação de lotes com animais em estágios diferentes de lactação, e a formulação das dietas é realizada com base na média do grupo.

Os animais em pós-parto imediato (entre 1ª e 3ª semana) têm ingestão de matéria seca reduzida, o que os leva a consumir menor quantidade de nutrientes, justamente quando apresentam grande demanda pelos mesmos devido a condições fisiológicas como a involução uterina e mesmo a maior propensão a infecções como a mastite. Para suprir esta necessidade, a suplementação mineral e vitamínica é fundamental.

A dieta, nesta fase, precisa ser densa em atributos proteicos, fibra efetiva para manter a ruminação, além de suplementação mineral e vitamínica mais intensiva. Outro ponto ao qual devemos nos atentar são os carboidratos altamente fermentescíveis.

No pós-parto, a ingestão excessiva de carboidratos com alta fermentação como amido de alta degradabilidade, pode causar efeito negativo no consumo de alimentos. Isso pode ser evitado através do uso de fontes alternativas, ou mesmo através da diminuição da concentração desses carboidratos de alta fermentação.

Comportamento e Manejo

pós-parto de vacas leiteiras agvitta

No período imediato ao pós-parto a vaca ainda apresenta o úbere inchado, momento em que também ocorre a involução uterina. São situações que promovem algum desconforto ao animal e, por isso, é muito importante que ela tenha facilidade em encontrar o espaço para descanso. O ideal é manter a capacidade de lotação em torno de 90%.

Outro aspecto fundamental, considerando que nesta fase os animais apresentam baixo apetite, menor ingestão de água com risco de desidratação e menor capacidade de disputa, é considerar um espaçamento mínimo de cocho, entre 60 e 70cm, que facilite o acesso ao alimento. A maior disponibilidade de cocho, também é importante para contribuir com o consumo e consequentemente a produção da vaca.

Lote específico pós-parto

Nesse sistema, o ideal seria termos um lote específico para animais pós-parto e isso se deve a inúmeras razões. Uma delas é a possibilidade de especificar uma dieta baseada nos parâmetros já comentados neste artigo, ou seja:

  • mais rica e densa em minerais e vitaminas adequados para o período pós-parto,
  • com fontes proteicas mais nobres e específicas, que possam trazer efeito benéfico para o fígado e metabolismo em si,
  • além de fibra efetiva.

Basicamente, são atributos que, quando se tem um lote pós-parto específico, conseguimos dinamizar com mais eficiência, bem como oferecer espaçamento de cocho e maior área de descanso para os animais.

Vacas especiais têm necessidades especiais. Se conseguirmos agregar estratégias de entendimento sobre o período pós-parto, com uma nutrição específica para esses animais, aliando conforto e bem-estar, conseguiremos refletir em maior produção e, consequentemente, lucratividade na fazenda.

Gilson Dias é nutricionista e gestor técnico de bovinos leiteiros da Agroceres Multimix
Lísia Bertonha Correa é nutricionista de bovinos de leite na Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO