Início Bovinos de Corte Ciclo pecuário: o gosto amargo de 2022 e algumas lições

Ciclo pecuário: o gosto amargo de 2022 e algumas lições

6
579
Boi 777 - Nutrição Animal - Agroceres Multimix

Não, 2022 não foi um ano fácil para o pecuarista! Desde a virada de jogo e recuperação do valor da arroba, ao final de 2021, vivemos um período complicado.

Por mais que a arroba tenha fechado com alta de 3,8% na comparação ano a ano, assistimos à sua queda mês a mês, fechando 2022 com valor médio de R$317,7, ante R$306 em 2021.

ciclo pecuário
Figura 1. Arroba de boi gordo em 2022 (Fonte: Adaptado Cepea);

Na contramão desta queda, o confinador e o invernista vivenciaram a firmeza dos preços das comodities agropecuárias, com momentos de tensão e altas nos preços, o que não suavizou em nada a queda da arroba.

“Fechar a conta” não foi tarefa fácil ao longo do ano. Os produtores que conseguiram operacionalizar um bom planejamento de compra e venda, tanto da reposição, como dos insumos envolvidos na atividade, e associaram a isso eficiência produtiva, com certeza sentiram menos as dores do ano.

Esse movimento todo não é grande novidade, quando olhamos no retrovisor da pecuária de corte. É fácil querer ser engenheiro de obra pronta, mas não é isso que queremos discutir aqui e sim tentar tirar boas lições para nos prepararmos para o futuro.

Ciclo Pecuário de Baixa

Avaliando o comportamento de preços e relações de troca, percebemos que toda essa movimentação de 2022 se justificou, em partes, pelo início do ciclo de baixa da pecuária.

Para quem ainda não o conhece, este é um movimento que ocorre a cada quatro anos, em média, comandado pela oferta de vacas para abate e/ou bezerros.

Quando o valor do bezerro está em alta, a retenção de fêmeas aumenta, afinal, o criador quer produzir mais bezerros. O menor descarte de matrizes reduz a oferta de animais para o abate e o valor da arroba do boi sobe.

O aumento da oferta de bezerros no médio prazo, provocado pela retenção de fêmeas, pressiona o seu preço para baixo. Essa desvalorização leva ao aumento do abate de fêmeas, aumentando a oferta de animais para abate e, consequentemente, pressionando para baixo o valor da arroba do boi gordo.

Com o abate de fêmeas, de novo, a oferta de bezerros cai no médio prazo, pressionando o preço do bezerro para cima e, como consequência, aumentando a retenção de fêmeas, dando início a um novo ciclo pecuário.

Tenha certeza de que, ora mais curto, ora mais longo, com algumas particularidades em função do cenário em questão, o ciclo pecuário irá acontecer como ocorre com qualquer produto que tem seu preço influenciado pelo mercado de oferta e demanda. Basta olharmos para qualquer série histórica dos preços do boi gordo e de bezerros, ou o comportamento da curva que mostra a porcentagem de fêmeas no total de animais abatidos ao longo dos anos.

Recria e engorda

Fora a queda do valor de arroba ao longo do ano, o custo de estoque carregado de 2021 (valor da reposição realizada) para quem faz a recria e engorda dos animais trouxe uma conta alta a ser realizada (Figura 4). O ágio pago pela reposição em 2021 (que desapareceu quando vendemos os animais em 2020 e 2019), se realizou em alta em 2022.

De 2020 para 2021, a reposição foi de R$310,7/@, ante os R$306,0 pagos pela arroba de boi gordo, o que levou o produtor a não sentir o custo de estoque. Já em 2022, os R$317,0/@ do boi gordo ficaram aquém dos R$445,5/@ de bezerro realizados em 2021.

Ou seja, o estoque da reposição feita em 2021, ao se realizar em 2022, levou um ágio (ou custo de estoque) de 40,5%, ou R$128,5/@, para dentro da porteira. Um bezerro reposto em 2021 com 7@, representou um custo de R$899,5/cabeça, o que tornou a conta de 2022 muito difícil.

Cria

Mas não só o recriador amargou em 2022. Para quem faz cria, o ano também trouxe um cenário baixista. Com o mercado do boi gordo desaquecendo, vimos o valor da reposição também cair, com o valor do bezerro fechando o ano com uma baixa de 8,5% na comparação com 2021 (Figura 2).

ciclo pecuário
Figura 2. Arroba de boi gordo em 2022 (Fonte: Adaptado Cepea);

Obviamente, para quem estuda e entende o comportamento do ciclo pecuário e consegue acertar os momentos de viradas de ciclo, o ganho é certo. É como vender uma ação quando ela está em alta e comprá-la novamente depois, em baixa.

Pensando dentro da porteira, seria o mesmo que se capitalizar vendendo o estoque no momento da alta e aportar, enchendo a fazenda com novas arrobas, com o seu valor em baixa. Isso, por si só, traria bons ganhos financeiros.

Mas, a tarefa não é fácil e se traduz no mesmo cenário de almejar ganhos buscando lucrar com a volatidade no curto prazo através da compra e venda de ações na bolsa. A pergunta aqui é: como você quer ganhar dinheiro na fazenda? Comprando e vendendo arrobas/animais, ou produzindo?

Bom, se você é da turma que produz, para onde podemos olhar para suavizar o amargo de 2022?

Invernista

Se você é invernista, note que a queda na reposição foi muito mais forte do que a do boi. Olhando para a relação de troca, vemos a redução da quantidade de arrobas de boi gordo necessárias para repor um bezerro na fazenda (Figura3), o que traz a possibilidade de sair de um estoque caro de 2021 para um custo de estoque menor em 2022.

Outro ponto que podemos ver é que, travando a relação de troca em 2,5 bezerros comprados com a venda de um boi gordo, o peso de abate poderia ser menor que em anos anteriores, o que permitiria um giro mais curto de confinamento e/ou um ganho “futuro”, caso o animal fosse abatido mais pesado e o estoque a ser reposto, mantido.

ciclo pecuário
Figura 3. Relações de troca entre 2019 e 2022.

Ante a volatilidade de preço comandada pelo ciclo, é importante saber avaliar muito bem o ganho econômico relacionado à produção e o relacionado à atividade como um todo (valorização, ou depreciação do estoque de arrobas).

Uma boa forma para suavizar essas oscilações seria, além da avaliação anual da atividade, uma ponderação sobre o médio prazo, olhando para o resultado econômico médio de alguns anos. Para o criador, o cenário em si é o mesmo.

Cuidado com “cortes” nos momentos de mercado em queda. Cortes relacionados a nutrição x prenhez, por exemplo, podem impactar negativamente o custo de produção do bezerro, potencializando o cenário negativo.

Olhar para a possibilidade de renovação da genética do plantel, vendendo vacas velhas e trazendo novilhas de reposição, e/ou aumentar o rebanho com a compra de animais, parecem ser alguns dos caminhos que a virada de ciclo nos traz.

Um fato interessante a ser observado ante esses movimentos de preços é que, na média, tanto as oscilações altistas como baixistas são mais voláteis no bezerro do que no boi gordo. Isto significa que, quando estamos em um cenário de valorização de preços, vemos o bezerro positivar acima do boi gordo, porém, quando o cenário inverte, a oscilação negativa no bezerro também é mais forte (Figura 4).

ciclo pecuário
Figura 4. Comparativo Boi Gordo vs. Bezerro desde 2006 (Fonte: Adaptado Cepea);

Sob a ótica da produção, manejo de pasto, gestão de suplementação, eficiência de trato, bom manejo de cocho, silagem de grãos úmidos, entre outros ganhos de eficiência, nunca foram tão importantes dentro da porteira. Em momentos de aperto, ter margem para queimar faz toda a diferença.

Saber “ler” o mercado é importante. Mas, como não conseguimos controlá-lo, precisamos fazer a nossa parte, sendo cada dia mais eficientes em produzir, sem esquecer do impacto do ciclo nos preços pecuários.

E você? Já conhecia o impacto do ciclo pecuário nos custos da arroba e do bezerro? Quais os impactos e lições que 2022 te trouxeram? Comenta aqui embaixo.

6 COMENTÁRIOS

  1. Muito positivo seus comentários, principalmente quanto ao movimentos/oscilações do mercado que requer um acompanhamento sistemático para melhores decisões dos negócios da pecuária bovina.

  2. Ao meu ver esse artigo mostrou com muita propriedade a dinâmica do ciclo da pecuária de corte no diz respeito ao mercado interno. Acredito que outras variáveis também influenciam no aumento ou diminuição dos preços em menor intensidade como fatores locais, mercado externo, clima, insumos etc. A boa gestão da propriedade é oque deve prevalecer.

    • Obrigado pelo seu feedback Glauco! É muito satisfatório perceber que conseguimos ser claros na mensagem que buscamos transmitir. Cadastre-se no rodapé desta página para seguir atualizado sobre novos conteúdos. Um abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO