RIP viabiliza produção de precocinhas

0
589
imagem destacada do artigo sobre precocinhas

Técnica é ótima alternativa para quem quer emprenhar fêmeas aos 13-14 meses e ainda produzir novilhas para programas de carne de qualidade

Imagine ter a maioria das novilhas de seu plantel comercial emprenhando aos 13-14 meses e parindo “bezerros do cedo”. Isso é perfeitamente possível com a RIP (recria intensiva a pasto), estratégia nutricional que possibilita suplementar as fêmeas na proporção de 0,5% a 1% do peso vivo, desde a desmama até sua entrada na estação de monta, reduzindo a idade à primeira concepção. A RIP é uma ferramenta sob medida para a produção das chamadas precocinhas, “sonho de consumo” de qualquer criador, porque emprenham um ano antes das novilhas convencionais, fornecendo mais quilos de bezerro ao longo de sua vida reprodutiva, o que dilui os custos fixos por matriz. Além disso, com a RIP não se perde o investimento feito na suplementação pós-desmama das fêmeas que ficam vazias, porque elas são deixadas a “um passo da engorda”, podendo ser terminadas rapidamente para venda a programas de carne de qualidade, com ágio.

Para Matheus Moretti, gestor técnico da Agroceres/Multimix, ao contrário do que muitos pensam, não é caro fazer recria intensiva de novilhas. “Caro é esperar 40-53 meses para vender o primeiro bezerro de uma matriz como se vê em sistemas tradicionais, já que ela demora 24-36 meses para emprenhar, fica mais nove meses em gestação e leva outros 7-8 meses para desmamar sua cria. Que custo tem isso? Precisamos fazer contas antes de descartar ferramentas de alto retorno como a RIP em fêmeas”, alerta. O custo da suplementação também é diluido, quando se “coloca na balança” o ganho genético do rebanho em fertilidade ao se emprenhar novilhas precocemente, sem segunda chance. “A forte pressão de seleção para essa característica melhora os índices reprodutivos em geral e ainda deixa um benefício extra: a precocidade de acabamento”, ressalta Flávio Dutra Resende, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), unidade de Colina, SP.


Novo mindset

Trabalhar com precocinhas em rebanhos comerciais, contudo, demanda clareza de objetivos e mudança de mindset (mentalidade) do produtor. Para que a fêmea atinja 280-290 kg aos 13-14 meses, condição corporal adequada à primeira concepção, é necessário estabelecer uma meta diária de ganho. Se ela desmamar com 200 kg, por exemplo, terá de engordar 533 g diariamente para atingir o peso-alvo em 150 dias de recria. Se desmamar com 180 kg, precisará ganhar 670 g e assim por diante. Quanto mais leve ela sair do pé da mãe maior será a suplementação exigida (veja tabela). “No geral, o desafio de ganho imposto à fêmea para que emprenhe precocemente é grande e aí esbarra-se em velhos paradigmas que precisam ser quebrados”, salienta Gustavo Rezende Siqueira, também pesquisador da Apta-Colina.

Segundo ele, considera-se normal arraçoar animais em confinamentos de recria (sequestro) na faixa de 0,5% a 1% do peso vivo, dependendo da categoria; já no pasto, esse nível de trato é visto como inaceitável, loucura. “Tem-se resultados semelhantes, mas a forma como o produtor vê os dois sistemas é totalmente diferente”, diz o pesquisador. Siqueira lança uma provocação reflexiva aos produtores para justificar a prenhez aos 13-14 meses: “ao invés de dividir o total de quilos de bezerros desmamados pelo número de matrizes em cobertura para apurar o índice de eficiência reprodutiva, façam essa conta com base no total de fêmeas existentes em suas fazendas. Vocês verão o impacto real da prenhez tardia sobre seus negócios”. Segundo o pesquisador, é preciso trazer à luz o abandono da recria de bezerras no Brasil, um problema sério, com consequências graves para a pecuária.


Alternativa viável

Ciente da visão dicotômica entre confinamento e pasto no País, a Apta, em parceria com a Agroceres Multimix, decidiu avaliar, na safra 2018/2019, duas estratégias de RIP, uma começando com 0,8% do peso vivo em ração e terminando com 1,2%; outra, com 1% do PV ao longo de todo o experimento. Ambas foram comparadas com o “sequestro”. Após 160 dias de trato, não se constatou diferença significativa entre os sistemas, nem no ganho de peso (médias de 640 a 700 g/cab/dia), nem na taxa de prenhez das fêmeas (42% a 51%, na primeira IATF, inseminação artificial em tempo fixo). “Isso mostra que a RIP é tão eficaz quanto o sequestro para produzir precocinhas, certo. Mas, então, qual sistema usar? Se o produtor trabalha com altas lotações nas águas e não tem pasto na seca, por exemplo, pode fazer sequestro; mas, se ele tem pasto, a RIP é melhor opção, porque dispensa volumoso e instalações para confinamento”, explica Flávio Dutra.

Como os resultados da RIP em fêmeas foram positivos com suplementação na faixa de 1% do PV, decidiu-se estudar, na safra 2019/2020, estratégias para facilitar a distribuição de ração (uso de um modulador de consumo na dieta, visando trato apenas três vezes por semana). Também avaliou-se o efeito da lotação sobre o índice de prenhez das novilhas. “Testamos dois níveis de oferta forrageira: 3 e 6 kg de matéria seca (MS) para cada 100 kg de PV, o que possibilitou alojar 7 e 3,5 novilhas/ha, respectivamente”, informa Igor Machado Ferreira, responsável pela pesquisa. O lote submetido à maior lotação ganhou, em média, 598 g/cab/dia, enquanto o outro engordou 701 g/cab/dia. Os dois grupos atingiram peso adequado para entrada na estação de monta (282 e 298 kg, respectivamente), mas o primeiro apresentou menor taxa de prenhez (54,5%) do que o segundo (67,4%), após duas IATFs.

Ração com modulador de consumo permite distribuir a ração apenas três vezes por semana.


Planejamento é fundamental

Uma das conclusões desse trabalho, conforme a zootecnista Laura Franco Prados, também integrante da equipe, é que o modulador de consumo funciona, facilitando a rotina de trato. Já o emprego de lotações mais altas exige análise econômica do sistema como um todo. “Para escolher qual lotação usar, é preciso considerar não apenas o índice de prenhez, mas também a produção de carne por hectare”, acrescenta Matheus Moretti. “Mesmo que se tenha uma pequena redução no número de bezerros nascidos, pode-se ganhar mais com as arrobas produzidas pelas novilhas não prenhes. Não existe receita de bolo para isso. Quem manda é a boa e velha matemática”, diz o gestor técnico da Agroceres. Caso se decida trabalhar com lotações mais altas, é fundamental planejar as operações de forma que o diagnóstico de gestação das novilhas ocorra até o início das águas, pois é preciso liberar o pasto para vedação, adubação e acúmulo de forragem, visando o próximo ciclo de recria.

Planejamento, aliás, é palavra-chave quando se produz precocinhas, pois essas matrizes são exigentes: precisam crescer e, ao mesmo tempo, manter seus fetos, parir bem e reconceber na estação seguinte. “O correto é suplementá-las até que saiam da categoria de secundípara. Todo o processo deve ser planejado pensando lá na frente, para não ocorrer nenhum delay no meio do caminho”, frisa Flávio Dutra. Segundo ele, o pasto é muito importante na RIP. Precisa ser bem manejado, principalmente quando se deseja trabalhar com maiores lotações. “Tendo capim farto e de qualidade, o produtor fica menos dependente de ração, reduzindo custos. Vamos dizer que a precocidade é a cereja do bolo, mas para colocá-la no lugar certo é preciso ter massa. Essa massa é um pasto produtivo, um programa sanitário eficiente, boa genética”, compara. Além disso, é fundamental que o produtor tenha visão de sistema. “A conta somente fecha se a novilha prenhe produzir um bom bezerro e a não prenhe fornecer carne de qualidade, com direito a ágio”, diz Dutra.

Para fazer com recria intensiva de fêmeas visando à concepção com 13-14 meses, é nessário, portanto, estar com a lição de casa feita. “Produtores que têm baixo índice de prenhez em multíparas ou em novilhas de 24 meses precisam melhorar primeiro seus resultados nessas categorias para depois começar a trabalhar com precocinhas”, adverte o pesquisador. Quando já tiverem cumprido essa etapa, devem estruturar suas fazendas para suplementar as fêmeas, instalando cochos adequados, de preferência cobertos, para fornecimento da ração. “O ideal é colocar as bezerras desmamadas em piquetes mais próximos da sede, para facilitar a logística de trato e cuidar delas mais de perto, no capricho”, recomenda.

Quanto a fêmea deve ganhar na recria para emprenhar cedo

Meta: 270 kg em 15 de novembro

Data da desmama

Peso a desmama (kg)

170

180

190

200

210

220

15/mai

0.543

0.489

0.435

0.380

0.326

0.272

15/jun

0.654

0.588

0.523

0.458

0.392

0.327

15/jul

0.813

0.732

0.650

0.569

0.488

0.407

15/ago

1.087

0.978

0.870

0.761

0.652

0.543

 

Autora: Maristela Franco, editora chefe da Revista DBO.

 

Click na imagem abaixo e assista um vídeo com informações sobre as vantagens da RIP em machos:

capa de vídeo do artigo com pauta sobre precocinhas


Nutrição Animal – Agroceres Multimix

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Resolva a conta abaixo *OBRIGATÓRIO